Posts marcados ‘DSM IV’

Estresse Pós-Traumático

O tão famoso Transtorno de Estresse Pós-Traumático, também conhecido como TEPT, é o post de hoje, conforme prometido no post sobre o Filme Refém do Silêncio.

Segundo o DSM IV, a definição deste Transtorno tão comum é a seguinte:

É o desenvolvimento de sintomas característicos, após ter vivenciado, presenciado, ouvido falar ou até assistido, fatos que lhe ameaçam sua integridade física, sua vida, ou de pessoas que lhe são próximas, sendo real ou somente ameaçador. Estes fatos são conhecidos como extremos estressores traumáticos.

Os sintomas característicos desta patologia, mencionados acima, são:

  • Revivência persistente do fato que lhe gerou o trauma de uma ou mais formas abaixo:
  1. recordações aflitivas, recorrentes e que são intrusivas, podendo ser imagens, pensamentos ou percepções (em crianças pequenas pode haver jogos repetitivos, com expressões de temas ou aspectos do trauma) .
  2.  sonhos, que serão aflitivos e recorrentes com o evento (em crianças os sonhos podem ser amendrontadores e sem um conteúdo identificável).
  3.  O sujeito também pode agir ou sentir como se o fato estivesse acontecendo novamente.
  4. O sofrimento psicológico intenso quando há exposição a indícios internos ou externos que simbolizam ou lembram algum aspecto do que aconteceu, também é extremamente comum e frequente.
  5. reatividade fisiológica quando exposto a indícios, internos ou externos,  que simbolizam ou que lembram algum aspecto do evento em questão.
  • Também há uma esquiva persistente de estímulos que foram associados ao trauma, indicados por três fatores ou mais dos que se apresentam abaixo:
  1. a pessoa se esforça para evitar pensamentos, sentimentos ou conversas relacionadas ao trauma;
  2. esforço também em evitar atividades, locais ou pessoas que tragam de volta recordações do evento;
  3. redução acentuada da participação ou interesse em atividades significativas;
  4. sensação de distanciamento ou afastamento em relação a outras pessoas;
  5. incapacidade de sentimentos como carinho, afeto, empatia;
  6. sentimento de um futuro abreviado, como se não esperasse ter uma carreira profissional, casamento, filhos ou até um período normal de vida.
  • Sintomas persistentes de excitabilidade aumentada, que não estavam presentes antes do trauma, e que são indicados por dois  ou mais dos seguintes abaixo:
  1. dificuldade em conciliar ou manter o sono;
  2. irritabilidade ou surtos de raiva;
  3. dificuldade em concentrar-se;
  4. hipervigilância;
  5. resposta de sobressalto exagerada.
  • A duração dos fatos acima comentados são sempre acima de 1 mês.
  • Este sofrimento causa prejuízo no funcionamento social, ou ocupacional, ou em outras áreas importantes da vida da pessoa.

É importante que o TEPT seja especificado em agudo, crônico ou com início tardio, sendo que o TEPT Agudo tem a duração dos sintomas inferior a 3 meses, o TEPT crônico apresenta os sintomas por 3 meses ou mais e o TEPT com início tardio é diagnosticado quando os sintomas ocorrem pelo menos 6 meses após o evento extressor.

O TEPT tem grande índice entre pessoas que sofreram torturas, foram pra guerras e  se tornaram exilados políticos.

Pode haver um risco aumentado com outras patologias, como: Transtorno de Pânico, Agorafobia, Transtorno Obsessivo-Compulsivo, Fobia Social, Fobia Específica, Transtorno Depressivo Maior, Transtorno de Somatização e Transtornos Relacionados a Substâncias.

Há uma questão que não consta no DSM IV, mas acho interessante abordarmos levemente: até que ponto os programas que exibem extrema violência podem causar o TEPT? Considerando que qualquer pessoa pode passar por este momento de Estresse Pós-Traumático e que não há um fator que o desencadeia a não ser os eventos traumáticos, e que estes podem ser visualizados e percebidos, o que nos diz que não é preciso que o sujeito passe realmente por eles. Somente ouvir e ver cenas pode sim desencadear esta doença, ainda mais quando se trata de crianças.  Até porque hoje não se tem mais o real controle do que se põe na TV durante as horas em que nossas pequenos estão ainda acordados. Devemos repensar sobre aquilo que colocamos diante de nós.